Pinacoteca será reaberta sob protestos

0
72
Fotografia: Elisa Elsie // Assecom-RN
Viemos a público comunicar a suspensão da exposição “Paisagens: diálogos contemporâneos”, sob a nossa curadoria, até então prevista para a reabertura da Pinacoteca, no próximo dia 04/12/21. Desde o começo o propósito da curadoria, alinhado com a direção, foi o de pensar o acervo e promover um diálogo com a produção contemporânea. Infelizmente, por razões técnicas e estruturais, a exposição se tornou inviável no prazo e nas condições apresentadas, tanto para a curadoria quanto para os artistas convidados. Isso posto, reafirmamos nosso comprometimento com os artistas e o seguimento das artes visuais, e tão logo a Pinacoteca disponha das condições adequadas para a realização de uma exposição, estaremos dispostos a realizar da melhor forma possível.
O comunicado da curadoria assinado por Diego Souza, Sanzia Pinheiro e Sofia Bauchwitz expõe a atual situação do equipamento cultural administrado pela Fundação José Augusto, que abriga a produção potiguar de artes visuais.
“Agradeço o convite para expor e reitero que sigo na luta pela cultura do nosso estado”, declarou o fotógrafo João Oliveira ao parabenizar a curadoria da exposição “que se retirou desse processo desrespeitoso com a arte do RN”. Para ele, a situação da pinacoteca e de seu acervo não está em clima de reabertura. As reformas inacabadas, além de diversos outros problemas, “escancaram a forma como o governo do estado está tratando o setor das artes visuais e a cultura potiguar”.
Segundo o fotógrafo e educador visual, “o evento de reabertura ao invés de ser marcado por uma exposição como há tempos não temos por aqui, foi pensado para ser um espetáculo de pirotecnia”. Ele afirma que o governo destinou aproximadamente R$ 100 mil para os shows “conforme o próprio Diário Oficial”. Revela ainda que o valor prometido para cada artista “foi de cerca de R$ 900,00 (novecentos reais), ainda não pago e sem contratos assinados”. Ao se queixar da ausência de estrutura, falta de respeito aos artistas, ao setor das artes visuais e à população, critica que a Fundação José Augusto “quer empurrar uma agenda de abertura de um prédio público que não está pronto para receber uma exposição e o público”. Diante da situação, pede a solidariedade dos demais trabalhadores da cultura e que as organizações da sociedade civil e Ministério Público se posicionem sobre essa crise. “Espero uma postura coerente da Governadora e dos parlamentares que foram eleitos dizendo levantar a pauta da cultura”, completa.
Através de um comunicado publicado em suas redes sociais a Fundação José Augusto afirma que o cancelamento da exposição “Diálogos Contemporâneos” foi motivado por questões técnicas explicada em comunicado pelos curadores. “Respeitamos a decisão de cancelamento da mostra, agradecemos o esforço e reafirmamos nosso diálogo sempre aberto com os artistas e fazedores de Cultura do RN”.
Informa, também, que será aberta neste sábado [04/11] na Pinacoteca do Estado uma mostra do acervo próprio do Governo do Estado, “composta por 60 obras de artistas históricos como Newton Navarro, Maria do Santíssimo, Abraham Palatinik, Dorian Gray Caldas, Zaíra Caldas, entre outros”. A mostra segue aberta ao público, de terça a domingo, no horário das 8h às 16h30.
A solenidade oficial de reinauguração será às 10h com a presença da governadora Fátima Bezerra. A partir das 17h, na praça 7 de Setembro, haverá um show com as bandas Skarimbó, Luísa e os Alquimistas e Cordel do Fogo Encantado.

Restauração

Segundo o Portal do Governo do RN, a Pinacoteca do Estado, antigo Palácio Potengi que foi sede do governo estadual entre 1902 e 1995, foi recuperada com recursos de R$ 6,4 milhões através do Governo Cidadão e Secretaria Estadual de Turismo (Setur), via acordo de empréstimo com o Banco Mundial. Segundo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o prédio construído em estilo neoclássico, entre 1866 e 1873, também já funcionou como Assembleia Legislativa, no andar superior, e a Tesouraria Provincial, no andar térreo em meados do século XIX. 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here