Charge: Rodrigo Brum

A campanha eleitoral segue com uma avalanche de candidaturas dando mau exemplo de aglomeração na pandemia e desrespeito às medidas sanitárias de combate ao novo coronavírus.

Além de sites e redes sociais, uma overdose de comícios, carreatas e o conhecido corpo a corpo entra em cena na corrida pelo voto, onde o respeito à vida é o que menos importa para muitos candidatos e candidatas. Enquanto isso, a vida de milhões de eleitores enfrenta o desemprego e a desigualdade social que tem a fome atazanando o bucho de grande parte dos brasileiros. Mais uma vez está em jogo o destino das cidades e seus moradores.
Lá vem novamente o discurso fajuto da burguesia com suas candidaturas sempre muito bem polidas, falando em desenvolvimento econômico em meio ao velho sistema que concentra cada vez mais renda nas mãos de poucos, à custa da miséria da grande maioria. Por trás dessa carapuça toda se esconde projetos políticos e econômicos prontos para entrarem em ação. Basta passar a eleição para ser armada mais uma arapuca contra o povo.
É preciso olhar a propaganda eleitoral com o pé na luta e a boca no trombone para denunciar e combater muita cara de pau que sempre votou contra os trabalhadores. O vale tudo para continuar nos palácios ainda vai render muita mentira e cinismo na tentativa de conquistar o seu voto.

“Sorrindo para a câmera
Sem saber que estamos vendo
Chorando que dá pena
Quando sabem que estão em cena”

O verso da canção “Vossa Excelência” dos Titãs expõe o submundo do crime eleitoral. Um cenário que transforma o povo e a cidade em dados estatísticos a serviço de uma elite que historicamente detém o poder político em nosso país. Estatísticas que escancaram também o luto e o pranto em meio a tanta injustiça social.
Em todo o Brasil, são 19.164 candidatos(as) a prefeito(a) e 513.045 a vereador(a) nas eleições municipais deste ano de 2020. São mais de 147 milhões de eleitores espalhados em milhares de seções eleitorais nos mais de 5 mil municípios brasileiros e que estão aptos a votar no próximo dia 15 de novembro. Dos 5.568 prefeitos(as) atuais 61% concorrem a reeleição. No Rio Grande do Norte, dos 167 municípios 48 prefeitos tentam se reeleger. É a briga da elite para se manter no poder contra as bandeiras de luta da classe trabalhadora.