Onde é que estão as quadrilhas?
Cadê São João, a fogueira?
Quem que parou a sanfona?
Será que isso é brincadeira?
Se é sonho, quero acordar
Pra poder forrozear
Nessa noite de São João
Ouvir poema cantado
Num forró bem sanfonado
Na voz do Rei do Baião.
Cadê São João, a Canjica?
Nos arraiás tem mais gosto
Dançar um forró colado
Chamego é rosto com rosto
Juntar toda a matutada
Numa noite enluarada
Fazer nosso casamento
O mês fica sem sentido
O ano fica perdido
Sem nosso maior momento.
Mês de Junho pra o Nordeste
É a época mais esperada
O povo fazendo festa
Nem que seja na calçada
Uma fogueira queimando
O milho ja pipocando
Uma cachaça um quentão
Um bebo, um arrastapé
É a festança da fé
Do Santo maior: São João.
Porém esse ano não
Não terá os arraiás
A festa será em casa
Ficar sem São João? Jamais
Não vamo ascender fogueira
Mas a nossa brincadeira
Eu sei, ja tá garantida
Vamos conter a festança
Pra sobrar mais esperança
E ser batalha vencida.
Aproveite seu São João
Nós vamos comemorar
Cada um no seu cantinho
Ou sozinho ou com seu par
Encontre aí seu xodó
Ligue o som, bote um forró
Mantenha essa tradição
Bote seu milho na brasa
Que a festa será em casa
Viva ao nosso São João.
Eu sei, é bem diferente
Mas nós vamos conseguir
E jaja estaremos juntos
Pra se abraçar e sorrir
Mas hoje, nesse momento
Nosso distanciamento
É de tamanha valia
Abra aí seu coração
Receba um feliz São João
Em forma de Poesia.
Jadson Lima / Bom Jesus/RN / 23 de São João de 2020