Educadores debatem os desafios da Educação do Campo no Norte da Bahia

16

O encontro tem discutido o atual momento político com foco nas dificuldades encontradas para se consolidar uma educação do campo de qualidade

Por Coletivo de Comunicação do MST na Bahia
Da Página do MST

“Diante do atual cenário de crise política e avanço do conservadorismo, quais são os desafios que as escolas do MST possuem?”. Essa pergunta foi feita na abertura do 2º Encontro de Educadoras e Educadores da brigada Pau de Colher, que teve início nesta quinta-feira (15), em Casa Nova, no Norte da Bahia.

Cerca de 60 profissionais da educação que atuam nos assentamentos e acampamentos do MST na região participam do Encontro, que segue com uma programação repleta de debates até sexta-feira (16), com o objetivo de avançar no estudo teórico e prático sobre os desafios que estão colocados para educação do campo no Brasil.

O encontro tem discutido o atual momento político com foco nas dificuldades encontradas para se consolidar uma educação do campo de qualidade, sem perder de vista, um dos desafios que foi colocado para dentro do Movimento e tem sido reafirmado em diversos encontros: introduzir a temática da agroecologia na educação básica.

Ao trabalhar o tema da história da educação dentro do MST, Antônio Martins, da direção estadual do Movimento, disse que o modelo metodológico educacional aplicado pela organização dentro e fora dos assentamentos e acampamento, passou a ser utilizado em outros países, como na Bulgária.

“Hoje enfrentamentos muitos desafios frente ao processo de luta em defesa da Reforma Agrária Popular, por isso mesmo, precisamos entender o contexto que surge nossa luta e a partir disso, ampliar nossas reflexões para um horizonte revolucionário”, e continuou, “nossas experiências são referências mundo a fora e, mais uma vez, precisamos estar a postos para sermos educadores que puxam as lutas e fazem do estudo uma ferramenta de emancipação e conscientização da classe trabalhadora”.

Nossa história

Com base no processo de construção da luta pela terra na região onde a brigada está localizada, o encontro contou com a participação do escritor Marcos Damasceno, que escreveu o livro “Guerra do Pau de Colher”.

A participação de Marcos contribuiu na construção de reflexões sobre o território e como o cenário nacional impacta diretamente no contexto local. Para ele, a realização do resgate da história da guerra “Pau de Colher”, que ocorreu no município de Casa Nova, é importante para se perceber o avanço da luta coletiva na região.

Para o setor de educação do MST, a história dos sujeitos é a base para se pensar os processos educativos, desde o cenário local ao nacional, por isso, é importante conhecer a história do território e incidir politicamente enquanto movimento social.

Projeções

Com mística, animação e atividades culturais, o Encontro de educadores pretende ser uma ponte que projete as lutas em defesa da educação do campo no norte do estado, através de uma ampla articulação campo e cidade para fortalecer a Reforma Agrária e pautar a construção de uma educação popular.

Compartilhe