por Diana Coelho // Produtora, realizadora, pesquisadora
O premiado documentário “Sêo Inácio ou o Cinema do Imaginário” é um dos filmes potiguares mais populares
Neste período de isolamento, muitos realizadores têm disponibilizado seus filmes em plataformas digitais.
Embora listas sempre me pareçam insuficientes, compreendo que também servem para visibilizar produções que, muitas vezes, permanecem desconhecidas pela maior parte da população norte rio-grandense.
Assim, decidi reunir 15 curtas e médias-metragens potiguares lançados na última década que estão disponíveis online, e ainda 3 webséries. Há inúmeras obras que poderia indicar, mas muitas ainda não estão disponíveis na rede.
Obviamente, trata-se aqui de uma listagem pessoal. Incentivo vocês a deixarem outras indicações nos comentários ou compartilharem suas próprias relações 😊
1. A Parteira (2019), de Catarina Doolan Fernandes
A Parteira é um documentário protagonizado por Ana Maria Valcácio, mais conhecida como Donana, parteira tradicional de São Gonçalo do Amarante. Com sua sabedoria e espontaneidade, Donana tem cativado o público e a obra tem emplacado inúmeras premiações.
2. Verde Limão (2018), de Henrique Arruda
Desde seu filme de estreia, “Ainda Não Lhe Fiz Uma Canção de Amor” (2015), Henrique Arruda tem produzido curtas-metragens interessantíssimos, em sua maioria com personagens LGBT. Em “Verde Limão”, uma veterana Drag Queen, prestes a entrar no palco pela última vez, revisita todas as cicatrizes que formam o seu carnaval.
3. Nada Foi em Vão (2018), de Sihan Félix
O documentário tem como protagonistas os cativantes pais do realizador, que descreve o filme como uma fábula sobre o maior sentimento que pode unir duas pessoas.
4. Vida Vaza (2016), de Carito Cavalcanti
Carito é um dos realizadores mais profícuos que conheço, então é difícil destacar apenas uma de suas obras. Em “Vida Vaza”, ele reúne artistas que refletem as dores da sociedade contemporânea, com participação especial da historiadora Leilane Assunção. Seus filmes estão disponíveis no canal da Praieira Filmes.
(Recomendo ainda “Noturnos” (2012), dele e de Joca Soares!)
5. Pedro (2015), de Pedro Borges
Narrado em primeira pessoa, o documentário é protagonizado por Pedro, homem trans que reflete sobre sua história e percepções acerca de si.
6. Se Essa Rua, Se Essa Rua (2015), de Paula Vanina Cencig
Além de participar como atriz e diretora de arte de produções locais, Paula Vanina é também animadora. Em “Se Essa Rua Se Essa Rua”, a realizadora aborda de maneira poética questões relacionadas a mobilidade urbana.
7. O Menino e a Caixa Misteriosa (2015), de Leonardo Maximiliano e Andrieli Torres
Uma das produções do Nós do Audiovisual, coletivo audiovisual de São Miguel do Gostoso (RN). Neste filme, a chegada de uma caixa misteriosa atrai a atenção de Luiz e de todos da vizinhança.
8. RapPresenta (2015), de Wallace Yuri e Luara Schamó
Documentário produzido durante o Festival Rap presenta, que reúne Mc’s e bandas dialogam sobre desafios, conquistas e expectativas dentro da cena do Hip Hop Potiguar.
9. Ubuntu — A África em Natal (2015), de Herison Pedro
“Ubuntu: a África em Natal” narra a trajetória de estudantes africanos que buscam qualificação profissional e melhor qualidade no ensino superior.
10. Sêo Inácio ou o Cinema do Imaginário (2014), de Hélio Ronyvon
Curta-metragem bastante conhecido e premiado, o documentário conta um pouco da vida do cinéfilo potiguar Inácio Magalhães de Sena, que já assistiu a mais de 20 mil filmes e alia sua sabedoria a uma vivacidade intensa.
11. Sailor (2014), de Victor Ciriaco
Pedro está diante de uma relação nunca vivenciada. Johnny veio de longe e segue o ciclo de sua vida. “Sailor” é o primeiro curta de ficção de Victor Ciriaco, que também assina “Abraço de Maré” (2013) e “No Fim de Tudo” (2016), este último atualmente licenciado para o Canal Brasil.
12. O (Impreciso) Mar que nos Move (2014), de Alexandre Santos, Dênia Cruz, Fernanda Gurgel, Rômulo Sckaff
O documentário traz entrevistas de cineastas independentes deixando o acaso e a metalinguagem moldarem a reflexão sobre as dificuldades em fazer um filme de baixo-orçamento, abordando também o futuro do cinema no mundo. Obra coletiva produzida durante participação no Festival Off Plus Camera 2013, na Cracóvia-Polônia.

O impreciso mar que nos move

This is “O impreciso mar que nos move” by Fernanda piresgurgel on Vimeo, the home for high quality videos and the…

vimeo.com

13. Janaina Colorida Feito o Céu (2014), de Babi Baracho
Um dia na vida da protagonista que, apesar de não saber seu nome, mantém uma serenidade arrebatadora diante da condição em que se encontra e das situações de risco que se coloca.
14. Três Vezes Maria (2014), de Marcia Lohss
Inicialmente concebida como piloto de uma série, “Três Vezes Maria” é a obra de estreia do Coletivo Caboré Audiovisual. O curta-metragem é protagonizado por Dorinha, Cida e Paloma, que vivem e trabalham num cabaré em Santo Antônio do Salto da Onça.
15. Estrondo (2013), de Ygor Felipe
Estrondo é um documentário que traz depoimentos de moradores de Ponta Negra, narrando acontecimentos que marcaram a história de uma das praias mais populares da cidade de Natal.

Faixas Bônus

O Menino do Dente de Ouro (2014), de Rodrigo Sena
“O Menino do Dente de Ouro” circulou em diversos festivais de audiovisual e é um dos mais solicitados no acervo da Cinemateca Potiguar. O filme ainda não está disponível online, mas será exibido no dia 28 de abril, às 21h05, no Cine Brasil TV.
Webséries
SEPTO (1ª, 2ª e 3ª temporadas)
Uma das produções potiguares mais conhecidas, SEPTO é uma websérie com temática LGBT que atualmente está em sua terceira temporada. Após conhecer Lua, Jéssica, uma triatleta de carreira promissora passa a repensar os rumos de sua vida. Aproveita para maratonar neste link:
Dalton/Hebe
Produzido pela Casa da Praia Filmes, o título da websérie faz referência ao seriado “Downton Abbey”. Na versão potiguar, Hebe e Dalton trocam seus Tinders para que um ache pro outro o par ideal, gerando uma discussão que os faz pensar sobre vida, família, amizade e romance.
Estações
Produzida pela Buraco Filmes, coletivo atuante em Mossoró (RN), a websérie foca no público jovem, ao abordar os conflitos de universitários em uma Faculdade de Artes, envolvendo questões como sexualidade, drogas, relacionamentos amorosos e familiares. Recomendada para amantes de Sandy & Jr.
Para quem ficou interessado em conhecer mais, recomendo acompanhar o calendário de festivais e eventos de audiovisual que acontecem no Estado, e fazer uma visita a Cinemateca Potiguar, localizada no IFRN Cidade Alta, que tem um acervo de mais de 300 obras potiguares.

»Fonte: medium.com