Filme de Bong Joon-Ho fura a bolha hollywoodiana

Cena do filme “Parasita” (Divulgação)
Marcelo Müller | Papo de Cinema

Foi uma cerimônia modorrenta, como há muito não se via. Em 2020, “pesou” a falta de alguém apresentando a festa e a Academia empilhou números musicais tão grandiosos quanto soporíferos (menos o de Elton John, por motivos de Elton John). A surpresa, enorme, ficou pela inesperada vitória de Parasita, filme sul-coreano que furou a bolha hollywoodiana e levou para casa um histórico Oscar de Melhor Filme. Poucos esperavam também a vitória de Bong Joon-Ho na categoria Melhor Direção. E, convenhamos, foi divertido vê-lo feliz com aquilo tudo, sendo um bem-vindo intruso estrangeiro na celebração do cinema norte-americano. Bong protagonizou um dos momentos mais bonitos da noite, quando agradeceu com reverência a Martin Scorsese, levando a plateia a levantar e aplaudir de pé um dos grandes baluartes da Nova Hollywood, um dos maiores cineastas vivos. Aliás, uma das piores injustiças de 2020 foi a esnobada homérica ao O Irlandês, filme que saiu de mãos abanando. Ainda bem que o Oscar não é, definitivamente, uma chancela de qualidade, mas apenas uma festa na qual nem sempre a qualidade determina.

Morno não apenas pelas escolhas de roteiro e encenação, o Oscar 2020 vinha distribuindo estatuetas burocraticamente até os 40 do segundo tempo. As escolhas para Ator, Atriz e Coadjuvantes estavam telegrafadas, bem como 90% das demais categorias. Mas foi justamente o êxito de Parasita, que levou para casa as estatuetas de Filme, Filme Internacional, Roteiro Original e Direção, que fez as coisas ficarem menos previsíveis. Que tipo de mensagem Hollywood manda com tal triunfo? E no quesito discurso da noite, imbatível o Joaquin Phoenix com uma mensagem de sustentabilidade e necessidade de pensar nossa existência na Terra de maneira responsável. Foi uma noite de baixos, e muito poucos altos. Mas, mesmo assim, a gente já está garantido no Oscar 2021, porque reclamar de alguns resultados e celebrar outros faz parte dessa grande brincadeira que vale pela celebração aos filmes.

→Confira abaixo os vencedores do Oscar 2020:

FILME
Parasita

ATRIZ
Renee Zellweger, por Judy: Muito Além do Arco-Íris

ATOR
Joaquin Phoenix, por Coringa

DIREÇÃO
Bong Joon-Ho, por Parasita

ATRIZ COADJUVANTE
Laura Dern, por História de um Casamento

ATOR COADJUVANTE
Brad Pitt, por Era uma Vez em…Hollywood

ROTEIRO ORIGINAL
Parasitade Bong Joon-Ho, Han Jin-Won

ROTEIRO ADAPTADO
Jojo Rabbitde Taika Waititi

FOTOGRAFIA
1917de Roger Deakins

MONTAGEM
Ford vs Ferraride Michael McCusker, Andrew Buckland

DESIGN DE PRODUÇÃO
Era uma Vez em…Hollywood, de Barbara Ling, Nancy Haigh

FIGURINO
Adoráveis Mulheresde Jacqueline Durran

TRILHA SONORA
Coringade Hildur Guðnadóttir

CANÇÃO ORIGINAL
“I’m Gonna Love Me Again”, de Rocketman (arranjo de Elton John e letra de Bernie Taupin)

EFEITOS VISUAIS
1917de Guillaume Rocheron, Greg Butler, Dominic Tuohy

MAQUIAGEM E CABELOS
O Escândalode Kazu Hiro, Anne Morgan, Vivian Baker

EDIÇÃO DE SOM
Ford vs Ferraride Don Sylvester

MIXAGEM DE SOM
1917de Mark Taylor, Stuart Wilson

FILME INTERNACIONAL
Parasita (Coreia do Sul) 

LONGA DOCUMENTÁRIO
Indústria Americana

LONGA DE ANIMAÇÃO
Toy Story 4

CURTA-METRAGEM (live-action)
The Neighbors’ Window

CURTA DE ANIMAÇÃO
Hair Love

CURTA DOCUMENTÁRIO
Learning to Skateborad in a War Zone (If You’re a Girl)

 

Jornalista, crítico de cinema e membro da ABRACCINE (Associação Brasileira de Críticos de Cinema,). Ministra cursos na Escola de Cinema Darcy Ribeiro/RJ e no Sesc/RJ. Participou como autor dos livros “100 Melhores Filmes Brasileiros” (2016), “Documentários Brasileiros – 100 filmes Essenciais” (2017) e “Animação Brasileira – 100 Filmes Essenciais” (2018). Editor do Papo de Cinema.