Brasília amanheceu ocupada pelo 15° Acampamento Terra Livre com a presença dos povos indígenas de todas as partes do país.

 

Organizado pela APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) e Mobilização Nacional Indígena, o acampamento acontece de 24 a 26 de abril na Esplanada dos Ministérios, que foi transformada num espaço de debate e mobilização em defesa dos direitos garantidos pela Constituição Federal, como educação, saúde e o principal grito de guerra que é a demarcação dos territórios indígenas. Além de reafirmar a resistência contra toda forma de opressão.

Foto: Mídia NINJA

Nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (24/4) a organização do movimento comunicou a mudança de lugar do 15° Acampamento Terra Livre. “Após negociação entre lideranças indígenas e o comandante da Polícia Militar do DF, a resolução é que as instalações de barracas e toda estrutura já levantada do acampamento irão migrar para à frente da Esplanada, na região do Museu Nacional. A negociação se deu a partir do caráter dialógico do movimento e da garantia da segurança e não violência das forças policiais contra os indígenas.” – Diz o comunicado.

Logo que sentou na cadeira de presidente Bolsonaro assinou a Medida Provisória – MP 870, com o objetivo de enfraquecer a Funai (Fundação Nacional do Índio). Para isso, transferiu o órgão responsável pelas políticas de interesse da comunidade indígena para ficar submisso ao Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Ao mesmo tempo, a demarcação de terras indígenas deixa de ser responsabilidade da Funai, passando para o Ministério da Agricultura, que é comandado pela bancada ruralista.

Em Nota a Apib comunica que o governo Jair Bolsonaro segue a intenção de exterminar os povos indígenas do Brasil, intensificando sua posição de quando ainda era parlamentar, quando afirmou em 15 de abril de 1998, que “a cavalaria brasileira foi muito incompetente. Competente, sim, foi a cavalaria norte-americana, que dizimou seus índios no passado e hoje em dia não tem esse problema em seu país”.

→Confira a programação do Acampamento Terra Livre

24/04 – QUARTA – FEIRA

MANHÃ
– Encontro das delegações indígenas
– Instalação do acampamento

 TARDE
– Coletiva de imprensa
– Abertura do ATL
– Leitura do documento base
– Saudações dos movimentos sociais nacionais e internacionais
– Marcha para o STF

NOITE
– Vigília no STF (Cantos, danças e rituai

25/04 – QUINTA – FEIRA

MANHÃ
– Audiência pública na Câmara dos Deputados: O papel dos povos indígenas na proteção do meio ambiente e desenvolvimento sustentável e as consequências da MP 870/19
– Cantos, danças e rituais
– Audiência na Câmara legislativa distrital – Delegação

TARDE
– Acompanhar a Audiência no STF – Delegação
– Plenária nacional das Mulheres indígenas
– Plenária da Juventude e Comunicadores indígenas

NOITE
– Lançamento de relatórios

26/04 – SEXTA – FEIRA

MANHÃ
– Rituais indígenas
– Marcha

TARDE
– Plenária de encerramento
– Aprovação da agenda de lutas
– Aprovação do documento final do ATL2019

NOITE
– Encerramento com noite cultural, apresentações indígenas e não indígenas

27/04 SÁBADO

– Retorno das delegações